bikenauta

Fevereiro 05 2012

Desde que começou construir suas casas e ajunta-las em
cidades as mulheres e os homens perderam um bocado de sua relação com o Deus.

Cercado de casas e prédios, às vezes, sem conseguir ver um
morro e sua cobertura vegetal, todos seus sentidos só percebendo as obras
humanas, as pessoas embotaram sua espiritualidade.

Voltado para o que faz ele perde sua bússola, seu GPS que lhe diz quem é e porque está neste planeta.

Mas quando saímos por uma estrada, caminhando ou pedalando, o
globo em que vivemos se expande perante nossos olhos admirados.

Um espetáculo assim se descortina melhor no alto de uma
serra. A estradinha serpenteando em volta dela apresenta um visual que nem a TV
nem o cinema conseguem mostrar.

Foi assim nossa subida na serra do Funil, em Rio Preto, MG.

A esfera que chamamos de Terra se abre em um mar encapelado de morros.

O denteado da cadeia de montanhas lá para o lado de
Ibitipoca, as colinas e morros se desdobrando até onde a vista pode alcançar ou
a curvatura de nosso planeta esconde, é de uma magnitude que nos torna humildes.

Longe da característica da construção humana que delimita
o espaço, como o corpo faz com nossa alma, a amplidão que se vê saindo pelos
caminhos faz o espirito dentro de nós lembrar que veio de espaços infinitos e
que para lá ainda vai de volta.

  

Abra seus caminhos, saia de casa, ande com suas próprias
pernas, vá além das últimas casas do derradeiro bairro de sua cidade e veja que
há muitas belezas que não foram feitas pelos humanos.

Na realidade, quando chegamos aqui há milhares de anos já estavam feitas.

Abra, passe a porteira e veja o mundo.

publicado por joseadal às 13:10

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

22
23
24
25

26
28
29


pesquisar
 
Tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO