bikenauta

Janeiro 09 2013

Em toda parte se vê ciclistas saindo das cidades para pedalar. Procuram caminhos antigos ainda mantidos como estradas de chão. Neste domingo, 06/01/2013, um grupo com mais de 20 bikeres saíram pedalando para Conservatória. Não seguiam o asfalto, território dos carros e seus motores de aço, não, nossas trilhas são as mesma que os antigos tropeiros palmilhavam com suas tropas de burro e os vaqueiros tangiam boiadas. Cercas margeiam esses caminhos e o capim verde é um tapete por onde o gado pasta mansamente. Quando passamos correndo em alvoroço eles param e voltando as pesadas cabeças olham para nós.

 

Aqui o tempo passa lento e se vê marcos que não mudam. Perto de São José do Turvo uma preta velha transformou uma capela de beira de estrada em sua moradia. Passo por aqui há nove anos e lá estava ela ainda varrendo o terreiro com sua vassoura de galho de mato.

 

O sol ainda esquentava mais, porém o pessoal parou na cachoeira para se refrescar. Era um passeio, ninguém estava tentando chegar primeiro. Com muitas paradas para fotos subimos a Juréia até as pernas não terem mais forças. Lá em cima pegamos o asfalto e a bela descida para a cidade da Seresta. E o almoço.

O sol a pino levantava vapor da terra e enquanto a maioria giboiava toquei a andar fazendo a digestão em cima da magrela. O alimento é essencial e as forças voltaram. Logo estava todo mundo correndo para casa.

O ano era novo em folha, mal começava, mas os caminhos são os mesmos que passamos tantas vezes. Mas nada se repete. São novos colegas, a disposição física que se renova e os quadros da vida, o cinema que é sempre inventivo.

publicado por joseadal às 21:16

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

21
22
24
25
26

27
28
30
31


pesquisar
 
Tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO