bikenauta

Janeiro 25 2011

No caminho que serpenteava, sempre subindo, entre os morros vimos uma claridade iluminar uma ponta do horizonte. O gado dormia ou ruminava a tênue luz das estrelas de nossa galáxia. Então, ao dobrarmos uma curva, a luz dos faroletes clareando só o chão, a vimos, linda, amarela e um pouco mais magra, nossa acompanhante dessa noite de aventura. Iluminando o mundo dos humanos com uma luz cheia de saudades nos permitia voar com os faróis apagadas. Entramos em Conservatória pela morada dos mortos que nos ouviram passar como pássaros da noite.

publicado por joseadal às 20:26
Tags:

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
26
27
28
29



pesquisar
 
Tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO