bikenauta

Abril 10 2015

Ontem, 09/04/2015, fui a cerimônia Ghostbike de Mário de Oliveira, ciclista atropelado por um ônibus em Barra Mansa, e que não conhecia.

Mario-de-Oliveira.jpg

 - Zé, você foi como apoio a alguém da classe de ciclistas a que você pertence, não é?

Enquanto pedalava para o encontro na entrada da ponte dos Arcos, pedalando por uma via movimentada entre Volta Redonda e Barra Mansa que não tem ciclovia e a gente se espreme ao meio-fio com os carros passando raspando, pensava na razão de estar indo à cerimônia.

Havia uma questão política que levantei quando me foi dada a palavra. A tendência mundial para tentar reverter um quadro de sobrepeso geral, de estresse galopante e de trânsito sempre engarrafado é a mobilidade sobre duas rodas, sem motor a combustão e de preferência com as próprias forças. Mário de Oliveira, contou-me sua filha, andava de bicicleta desde os 15 anos e ela e irmãos iam para a escola no porta-embrulho bem agarradinhos ao pai que amavam.

GhostBike (6).JPG

Uma intimidade dessas um garoto dentro de um automóvel vendo o pai ou a mãe xingar e fazer barbaridades no trânsito, nunca vão ter. Disse, na presença do presidente da Câmara de lá, que Volta Redonda e Barra Mansa teimam em não acompanhar a mudança de comportamento mundial e seus políticos e técnicos não têm criatividade nem ousadia de mudar o que é retrógrado. Marcelo Cabelereiro quando discursava.

GhostBike (4).JPG

Mas foi uma homenagem bonita, ao homem e ao ciclista. Um grupo expressivo saiu daqui e foi pedalando até lá o que deve ter emocionado a filha e a neta de Mário de Oliveira que também discursou.

GhostBike (5).JPG

 Então, aconteceu o momento simbólico de afixar com corrente uma bikezinha branca como lembrança de que naquele local foi morto um ciclista.

GhostBike (7).JPG

A polícia parou o trânsito e os ciclistas sentaram na rua como um pedido e um aviso de que as vias dentro da cidade não são só dos veículos motorizados.

GhostBike (11).JPG

 Em suma, fui lá homenagear um irmão e um colega ciclista que chegou aos 77 anos pedalando e podia ter vivido muito mais tempo. Quem sabe, sua morte não despertará consciência?

GhostBike (9).JPG

 A bicicleta existe para aumentar a expectativa de vida das pessoas e não para nos expô-las a morte prematura. 

 

publicado por joseadal às 12:33

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


pesquisar
 
Tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO