bikenauta

Fevereiro 02 2014

 http://youtu.be/UJ122ERQ6SU      

          
        
          

No começo da manhã um frio penetrante nos esperava em cada sombra que passávamos.

Mas o sol que nascera a pouco não deixava dúvidas de que o dia seria cheio de calor, som e cores. Os infinitos raios e vibrações que vêm de nossa estrela entravam pelas folhagens e ramos despertando animais e pássaros que começam a cantar e ciciar. E as cores que durante as trevas da noite ficaram obliteradas ganharam destaque, foram soltas e saltaram a vista. Por isso, desde que deixamos para trás o casario de Valença e seguimos pelo asfalto até Rio das Flores uma tremenda energia explodia em sons e cores.

Parávamos a todo instante para registrar os belos lugares pelos quais passávamos: um barranco de rio, uma igrejinha que pouco abre para os fiéis,(Sagrado Coração de Jesus, em 3 Ilhas, Belmiro Braga, MG)

uma velha ponte e as sombras em que parávamos, porque o velho sol estava inclemente.

Por todo o caminho o som das águas nos acompanhava. Ora marulhando num córrego, logo resmungando nas corredeiras ou deixando fluir um som cristalino quando a pegávamos numa bica – perigosas bicas de Valença.

O trajeto foi quase plano, ora girando os pedais, ora deixando a bike correr numa descida. Só na chegada de São José das 3 Ilhas é que pegamos uma subida forte, mas longa, esticada, dando voltas nos morros e que era um exercício razoável, para quem pedalava sob uma forte canícula.         

(foto de Fabiano66)

Mas chegamos na rua calçada de pés-de-moleque e ao bar com seu velho balcão que nos recebeu à sombra com cerveja, refrigerante e água gelados.

Depois, seguimos admirando e fotografando o casario do século XIX, bem cuidado, cheio de cores vibrantes e em que o som do silêncio sobressaia, refrescando nossos ouvidos tão feridos pelos sons da cidade.

E a catedral observava aqueles minúsculos seres agitados que lhe admiravam e entravam por dentro de suas paredes grossas que deixavam as cores vibrantes e os barulhos do lado de fora. Os santos e imagens em pinturas fortes nos foram vedados mostrar. Mas nossas máquinas, inquietas, sempre se esqueciam em guardavam uma figura num nicho ou a nave na penumbra.

Mas era só chegar numa janela que a luz entrava em jorros feito um tsunami saindo de um prisma.

O almoço, conforme prometido pelo nosso colega 171,

foi mesmo a sombra da catedral. Uma almoço com sabor de fogão a lenha e tempero de uma cozinheira experimentada e que ama alimentar o próximo.

Depois foi rodar por caminhos de chão e de asfalto. Olhos protegidos do clarão de luz por óculos frescos ou sérios. Foi um lindo passeio.

       
publicado por joseadal às 12:35

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27


pesquisar
 
Tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO