bikenauta

Maio 16 2012

Um esporte espetacular é o pedal curtinho. De preferência
feito com um, no máximo três amigos. Neste sábado, 12/05/2012, véspera do Dia
das Mães, andamos, eu e João. O mountain bike é o exercício aeróbico por excelência.
Quanto tempo você aguenta ficar dentro de uma academia? No ciclismo de estrada
de chão nos empenhamos por muitas horas, e com prazer. Com um amigo o esforço
vira uma conversa de amenidades e de confidências.

Não durou mais de vinte minutos pelo asfalto e logo
começamos uma boa subida por estrada de terra. A manhã começava e o nevoeiro
ainda descansava nos vales. Tudo é verde e quase primitivo e isto acalma a alma. Falamos do pedal que
participamos em Minas e do que faremos no Rio de Janeiro mês que vem.
Planejamos uma reunião de família em Valença, no sítio do irmão dele.

Não há concreto em volta nem máquinas à combustão. É o mundo do qual fomos feitos e o ar é puro e leve. Dizer que estávamos livres das máquinas é faltar com a verdade. Pois logo na frente uma retroescavadeira tirava o barro de um desmoronamento e atravancava nosso caminho.


E sem nos darmos conta, estávamos no alto da Jaqueira passando ao lado da velha e enorme árvore
impassível vendo gerações de homens desfilando e indo embora. Não havia passado
duas horas entramos na sossegada Dorândia com sua igreja centenária no alto da
colina, em seu centro histórico. Hora do lanche. Paramos no barzinho onde um pé
de porco desmanchando e uma perna de frango frita nos esperava. O primeiro pra
mim e o segundo pro João.

Pescadores vieram mostrar os bagres pescado ainda cedo no rio Paraíba do Sul.

O ciclismo assim, curtindo o tempo e as pessoas é uma beleza.

Tocamos a pedalar. Atravessamos a RJ393 e seguimos para Vargem
Alegre, mas antes entramos num caminho de fazenda que queria conhecer. Pensava
que, por ele, iria beirando o Paraíba até bem perto de Barra do Piraí. Mas que
nada, acabava logo a frente numa velha fazenda.

Neste trecho João contava uma
passagem de sua infância em Miraí. Um dia chega ao sítio de seus pais duas
mulheres andarilhas, bugras, quase índias. A mãe deu alimento e deixou dormir
no paiol. No outro dia as duas ficaram ajudando a dona da casa e acabaram
pernoitando novamente. E assim passou seis meses. Mas os andarilhos não tem
pouso certo. Numa noite, deixaram a casa com seus pertences acrescidos de
roupas que a família lhes dera e o embornal pesado de carne de porco tirada da
lata de 20 litros cheia de gordura onde curtia. As crianças menores – eram oito
meninos e meninas – ficaram inconsoláveis por ter ido embora aquela que sabia
uma porção de cantigas e inventava uma porção de brincadeiras.

Neste ponto Vargem Alegre tinha ficado para trás e corríamos
pela estrada que estão construindo. João temia comer muita poeira pelo caminho.
Mas demos sorte. A estrada já tem bons pedaços asfaltado e onde jogaram escória
da siderúrgica o chão até parece cimentado. Com pouco carro passando chegamos
em Pinheiral sem quase não ter aspirado poeira. Fechamos o circuito sempre contando
causos e fazendo um saudável exercício. Isto é um pedal curtinho.

Passava poucodo meio-dia quando nos despedimos. E olha que pedalamos mais de 50 km!    

publicado por joseadal às 13:25

mais sobre mim
Abril 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


pesquisar
 
Tags

todas as tags

blogs SAPO